..::data e hora::.. 00:00:00

Política

Gladson Cameli vai a Assis Brasil acompanhar crise migratória na fronteira

O governador do Acre, Gladson Cameli, acompanhou neste domingo, 21, a crise migratória em Assis Brasil, na fronteira com o Peru. Sensível com a situação vivenciada por centenas de imigrantes, a maioria formada por haitianos que tentam adentrar no país vizinho, o gestor reforçou que o Estado continuará prestando toda assistência humanitária aos estrangeiros.

Gladson dialogou com um grupo de imigrantes que está acampado há vários dias na Ponte da Integração. O governador escutou as principais demandas e colocou-se, mais uma vez, à disposição para ajudar na intermediação de uma solução definitiva ao conflito.

“Essas pessoas são seres humanos e merecem ser tratadas com total dignidade e respeito. O governo tem procurado fazer a sua parte na questão do auxílio humanitário e também estamos buscando ajudar a resolver essa questão por meio da diplomacia entres os governos do Brasil e do Peru. O meu maior desejo é que esses imigrantes tenham a chance de lutar por uma vida melhor”, pontuou.

IMG 0531 webGovernador abraça criança haitiana e afirma que é sensível a causa do imigrantes. Foto: Diego Gurgel/Secom

Cameli ofereceu ainda o fretamento de ônibus para transportar os estrangeiros que desejarem permanecer no Brasil. Além disso, o governo acreano cedeu prédios públicos à prefeitura do município para a instalação de abrigos, tem custeado parte da alimentação, levado atendimentos de saúde e assegurado segurança aos imigrantes.

O prefeito de Assis Brasil, Jerry Correia, esteve ao lado do governador e do secretário de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cezar Rocha dos Santos, durante a visita. O gestor aproveitou a oportunidade para relatar o clima de tensão vivenciado nos últimos dias e também agradeceu o apoio dado pelo Estado ao município localizado na tríplice fronteira.

IMG 0527 webSempre aberto ao diálogo, Cameli ouviu principais demandas dos estrangeiros retidos em Assis Brasil. Foto: Diego Gurgel/Secom

“No último dia 14 de fevereiro, tivemos um conflito aqui na ponte e, desde então, temos recebido todo o apoio por parte do governo do Estado e o próprio governador Gladson Cameli tem mantido contato conosco. Nessa visita de hoje, ele anunciou medidas que vão diminuir o número de pessoas, sobretudo aos que estão na ponte”, destacou o prefeito.

Desde o início do mês, imigrantes estão chegando em grande número ao Acre com o objetivo de deixar o Brasil, por meio da fronteira com o Peru. Porém, desde o início da pandemia do coronavírus, a travessia na Ponte da Integração está proibida.

IMG 0517 webCom a fronteira Brasil-Peru fechada há quase uma ano, parte dos imigrantes está acampada na Ponte da Integração. Foto: Diego Gurgel/Secom

Mesmo não sendo competência constitucional do Estado, o Grupo Especial de Fronteira (Gefron) está presente no local por tempo indeterminado, cooperando com a mediação do conflito migratório em apoio à Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

“Estamos fazendo a segurança não só na ponte, mas em todo o perímetro urbano de Assis Brasil e áreas rurais da região, coibindo as práticas de crimes transfronteiriços”, relatou o comandante do Gefron, coronel Antônio Teles.

IMG 0537 webSem previsão de reabertura da fronteira, o haitiano Miguel Moendestin cogita retornar para Santa Catarina com a família. Foto: Diego Gurgel/Secom

O haitiano Miguel Moendestin está há quase um mês aguardando atravessar a fronteira juntamente com a esposa e a filha de três anos de idade. Sem expectativa de resolução para o impasse, o estrangeiro cogita retornar ao Sul do país.

“Como não tenho trabalho, estou ficando sem dinheiro para manter minha família. Não posso ficar nessa situação e a única solução será retornar para Santa Catarina”, declarou.

Image
Image

logo news2