..::data e hora::.. 00:00:00

Polícia

Mãe acredita que filha que sumiu há cinco anos no Acre está viva e cobra resposta da polícia: ‘espero ela voltar’

Rairleny Ganum e Arnaldo Praxedes sumiram no dia 2 de junho de 2016 de Rio Branco e não deram mais notícias. No dia seguinte, carro que o casal usava foi achado incendiado no Ramal do Pica-Pau. Polícia disse que segue sem pistas, mas que caso não foi arquivado

Há cinco anos a dona de casa Rarifa Nunes Ganum, de 53 anos, espera a filha Rairleny Ganum da Silva voltar para casa. Para ela, a jovem está viva, mas não sabe dizer onde e nem como. Rairleny e o idoso Arnaldo Reis Praxedes sumiram no dia 2 de junho de 2016 em Rio Branco.

“Para mim, ela está viva e espero ela voltar. Não sei o que aconteceu, quarta-feira [2] fez cinco anos que ela sumiu. Quero uma resposta, porque não estão procurando ela. Tem alguém no cativeiro com ela, alguém está segurando ela”, disse emocionada Rarifa.

A estudante e o idoso tinham um relacionamento, inclusive, eram pais de um menino de 4 anos, na época. No dia do sumiço, Praxedes foi até a casa da namorada buscá-la para fazer uma faxina na casa dele. Do bairro Eldorado, onde Rairleny morava com a família, o idoso levou a namorada, a mãe dela e a cunhada, Rairla Ganum, até o Centro da capital acreana. Rarifa e Rairla ficaram em uma loja e Praxedes saiu com Rairleny para a casa dele.

rairleny 002 webRarifa Nunes acredita que a filha Rairleny Ganum está viva e espera ela voltar para casa após cinco anos — Foto: Arquivo pessoal

Essa foi a última vez que o casal foi visto. No dia seguinte, 3 de junho, o veículo de Praxedes foi encontrado incendiado no Ramal do Pica Pau, na Estrada do Amapá. Na época, a polícia falou que a casa do aposentado foi invadida e dois televisores furtados.

O G1 entrou em contato com o delegado do caso na época, Pedro Paulo Buzolin, para tentar uma resposta sobre as investigações. O delegado disse que o caso segue sem novidades e que não foi arquivado.

Filho pergunta pela mãe

Além do menino, atualmente com 9 anos, Rairleny também é mãe de uma menina, que tinha menos de um ano quando ela sumiu. A menina é fruto de outro relacionamento da jovem. Rarifa ficou com a guarda do neto e conta que ele pergunta constantemente pela mãe.

“Ele diz: ‘vó, cadê minha mãe que não chega?’ Digo que a mamãe vai chegar, para não falar outras coisas. Mas, sempre fica perguntando, diz que está com saudade dela, que ela não aparece. A menina fica mais com o pai dela e quando chega aqui pergunta ‘cadê minha mãe’? Isso parte o coração”, contou a dona de casa.

rairleny 003 webRairleny Ganum da Silva e Arnaldo Reis Praxedes estão desaparecidos há cinco anos — Foto: Arquivo Pessoal

Após o sumiço da filha, Rarifa guardou as roupas e os pertences de Rairleny dentro de malas. Ela explicou que não se desfez de nada para caso a jovem volte para casa. “Ela tinha se separado do marido, que é o pai da menina, e morava aqui comigo. Tirei as coisas dela do guarda-roupa, está tudo guardado. Guardei tudo, roupas, fotos dentro das minhas coisas”, revelou.

Sem nenhuma pista do paradeiro da filha, Rarifa cobra uma resposta da polícia. “Acham outras pessoas e não acham minha filha. Quero uma resposta. A gente ia falar com o delegado e ele dizia que não tinha novidades. Seis meses depois do sumiço pararam de procurar”, criticou.

Dia do sumiço

Rairla Ganum lembra com detalhes o dia 2 de junho de 2016. Ela foi junto no carro com Arnaldo Praxedes, a mãe e a irmã para o Centro. Rairla recorda que a irmã parecia triste e preocupada com algo, mas não chegou a perguntar nada.

“Saímos juntos no carro e ela estava meio triste e preocupada com alguma coisa. Fomos para o Centro, ele nos deixou lá e saiu com ela para fazer a faxina. Daí ela nunca mais apareceu. O telefone dela sumiu. Ela não estava normal, mas não falou nada. Ele conversou normal, não aparentou nada estranho”, frisou.

Rairla confirmou que a família não teve mais notícias das investigações após esse tempo. “Não falaram mais nada, mas temos esperança dela voltar. Não imagino o que aconteceu, não sei falar, já está com cinco anos, a polícia não descobriu nada. Não descobriram nada sobre nenhum dos dois”, concluiu.

A família de Arnaldo Praxedes afirma que também não tem notícias sobre o paradeiro do casal. Ao G1, Conceição Praxedes, que mora no Rio Grande do Norte, contou que dois irmãos que moram no Acre ficaram acompanhando as investigações com a polícia. Porém, esses parentes estão doentes atualmente e não têm acesso mais à polícia

“Ele continua desaparecido, não temos mais notícias. Meus irmãos acompanharam, mas eles estão muito velhinhos e doentes e não mexem mais com isso. Eu moro fora do Acre e, pelo o que sei, a polícia não deu mais notícias”, resumiu.

rairleny 004 webCarro em que casal estava foi encontrado após ser incendiado em um ramal de Rio Branco — Foto: Arquivo Pessoal

Image
Image

logo news2