..::data e hora::.. 00:00:00

Amazônia

No Acre, seringueiro vive há 25 anos isolado em meio à floresta

Num raio de 27 km da casa de Gildo, só há floresta. Mesmo assim, ele pegou Covid numa das visitas mensais à cidade, que fica a mais de 3 dias de viagem a pé. Existência da habitação só foi descoberta pelo governo em 2019

Um de 54 anos vive há 25 isolado dentro do Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório (Cferg), que fica entre as cidades acreanas de Tarauacá e Cruzeiro do Sul, interior do estado. Num raio de 27 km da casa de Gildo da Silva Conceição, só há mata. Mesmo assim, em maio deste ano, ele pegou Covid durante uma das viagens a Tarauacá, aonde vai uma vez por mês – ele percorrer a BR-364 por três dias a pé, pega uma condução e segue até à cidade.

A existência da casa de Gildo só foi descoberta em 2019 pelo governo estado, durante os trabalho da Secretaria de Meio Ambiente e das Políticas Indígenas do Acre (Semapi). A primeira visita das autoridades ao local ocorreu há 3 meses com ajuda de um helicóptero.

E, na segunda-feira (2), integrantes do governo visitaram-no para saber como ele estava de saúde e entregar doações. Segundo eles, o seringueiro já está recuperado da doença e passa bem.

O extrativista mora em uma clareira de cerca de três hectares aberta no meio da floresta sem energia elétrica e água encanada. Segundo o gestor do complexo de floresta, Victor Melo de Lima, no local há a casa de Gildo e uma casa de seringa e ele não tem esposa e nem filhos.

casa 002 webSeringueiro foi achado por imagens de satélite por equipes do governo — Foto: Arquivo/Ciopaer

Gildo tira o sustento da seringa que retira da floresta. Uma vez por ano, Gildo vai até a cidade de Tarauacá vender sua produção e comprar mantimentos.

“Conseguimos identificar essa área dele por satélite, vimos uma abertura no meio da floresta, em um raio de 27 km mais ou menos é só floresta. Quando se olha de cima não consegue ver a clareira, só se tiver em algum ponto específico para ver a abertura mínima de quase três hectares”, contou o gestor.

Por ser um lugar de difícil acesso, o seringueiro não possui telefone e a reportagem não conseguiu contato com ele.

Infecção pela Covid

Mesmo isolado, em maio deste ano, quando a equipe do governo fez o primeiro contato com o seringueiro, os servidores o encontraram doente, fraco e com sintomas da Covid-19. Ele contou que tinha ido até o município de Tarauacá dias antes comprar mantimentos e quando retornou começou a ficar doente.

“Há três meses fomos fazer um levantamento dos dados dele, pois ainda não tínhamos tido contato com ele e, quando chegamos lá, ele apresentava sintomas de Covid, estava bem fraco. Retornamos no dia seguinte para levá-lo para o hospital. Ele sai uma vez por ano da localidade”, complementou Lima.

Gildo foi levado de helicóptero até a pista de pouso de Tarauacá, onde uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) aguardava por ele. Da pista de pouso, o seringueiro foi levado para o hospital da cidade e ficou quatro dias internado.

casa 003 webSeringueiro recebeu doação de sacolões das equipes da Semapi e do Ciopaer nessa segunda (2) — Foto: Arquivo/Ciopaer

“Fizeram um exame nele e deu positivo para Covid. Fez o tratamento e voltou para a casa dele”, destacou.

Nessa segunda (2), as equipes do Ciopaer e da Semapi estavam em uma região próximo da casa de Gildo e resolveram pousar para saber como ele estava. Segundo o gestor Victor de Lima, o seringueiro estava no meio da mata trabalhando e bem de saúde.

“Lá não tem contato, estávamos em outra missão próximo da área dele, pousamos para ver como estava. Levamos algumas cestas básicas, algumas coisas porque quando ele vai na cidade que volta não tem como levar muita coisa. Se recuperou bem, quando chegamos lá estava cortando seringa”, disse.

O gestor acrescentou também que foi feito o cadastro do seringueiro no Instituto de Terras do Acre (Iteracre). Após o primeiro contato, Lima disse que o seringueiro passou a cogitar adquirir um propriedade mais próxima da rodovia

“Ele demonstrou interesse de adquiri um lote perto da BR, mas dentro da floresta ainda. Ou também perto do Rio Gregório, que são áreas destinadas à moradia. Vamos levar ele para olhar um lote, e vai avaliar. Ele tem um irmão que mora perto da floresta, mas os demais parentes não temos conhecimento”, concluiu.

casa 004 webCasa do seringueiro foi construída no meio da floresta no inteiro do Acre — Foto: Arquivo/Ciopaer

Image
Image

logo news2