..::data e hora::.. 00:00:00

Jamaxi

De volta ao começo  

O governador Gladson Cameli (PP) decretou situação de emergência em todo o estado em razão do surto de gripe e da confirmação da circulação da variante H3N2 da Influenza no território estadual. Duas mortes já foram confirmadas no Acre desde o início do surto de gripe, sendo a última em Cruzeiro do Sul, registrada no final do ano passado, 2021.

Formalização 

A decisão já foi publicada no Diário Oficial, em uma edição extra, na data de ontem, segunda-feira, dia 10. A medida visa prevenir possíveis problemas que venham a ocorrer nas unidades de saúde da rede pública e pondera a “superlotação por internações referentes a síndrome gripal nas unidades do interior e da capital, com aumento na taxa de internação de até 120%”, destaca o decreto.

Argumentos 

Gladson pondera, ainda, que a “gravidade dos casos, principalmente nos pacientes idosos, os quais são submetidos, em grande parte das vezes, à internação em leitos de terapia intensiva, causando superlotação e fila de espera por leitos”, justifica a medida.

Queda de braço

A confusão criada pelo governo federal em torno do Refis do Simples Nacional está sendo apontada por operadores políticos como a primeira oportunidade de o Congresso dar uma demonstração de força neste ano eleitoral. A derrubada do veto ao Refis é dada como certa.

Navalhada

“A barbeiragem jurídica foi grande. Para resgatar o Refis, só com a promulgação. E isso acontecerá com a atuação do Congresso”, afirma Marco Bertaiolli (PSD-SP), da Frente Parlamentar do Empreendedorismo.

Elas… 

Em uma pré-campanha até agora dominada pelos homens, Marta Suplicy resolveu puxar discussões sobre as questões de gênero no debate presidencial: convidou um grupo de mulheres para um debate em São Paulo, dia 28.

…por elas

A ministra Cármen Lúcia (STF), a educadora Cláudia Costin e as advogadas Patricia Vanzolini (OAB) e Sheila de Carvalho (Coalizão Negra) devem participar do encontro. A intenção é levar o resultado dos debates aos pré-candidatos ao Planalto, incluindo, claro, Simone Tebet (MDB), a única mulher colocada até agora na disputa.

Missão

... Aginaldo Oliveira, comandante da Força Nacional de Segurança, recebeu missão direta de Bolsonaro: a de concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados neste ano, provavelmente pelo Ceará.

…dada

Oliveira é casado com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP) e teve o ex-juiz Sergio Moro como um dos seus padrinhos de casamento. Ainda sem filiação partidária, ele já começou a pré-campanha pelas suas redes sociais. 


Imagem2

Juntos e misturados 

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido), cotado para ser candidato a vice-presidente na chapa encabeçada pelo ex-presidente Lula (PT), avalia que o MDB e o PSD, cedo ou tarde, se juntarão ao petista na corrida eleitoral, informa o jornalista Igor Gadelha, do site Metrópoles.

Questão de tempo 

Atualmente, as duas siglas têm seus candidatos próprios: a senadora Simone Tebet (MDB-MS) e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Para o ex-governador, no entanto, nenhum candidato da chamada “terceira via” tem viabilidade eleitoral.

Regras

O PCdoB discute com o PT a formação de uma federação junto com o PSB e já tem em mãos uma proposta de estatuto que modera os poderes dos petistas, caso os partidos decidam mesmo se unir.

Proporção

A ideia de lideranças do PCdoB é que o estatuto preveja que o comando da federação seja proporcional ao tamanho das bancadas desses partidos na Câmara dos Deputados na eleição de 2018. Mas as decisões deverão ser tomadas em consenso, senão por uma maioria de três quintos da cúpula. Com isso, espera-se poder amenizar o poder do PT frente às demais siglas, que são menores. Em 2018, o PT elegeu 54 deputados; o PSB, 32 e o PC do B, 9.

Óbices 

O principal temor de integrantes do PC do B é ser engolido pelo PT na nova conformação. Membros como o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) e Manuela D’Ávila já expressaram internamente e também a colegas de outras siglas que preferiam se unir a siglas menores, como o PSOL e a Rede, em vez do PT, devido à disparidade de tamanho dos dois partidos.

Bicho de sete cabeças

“A assimetria entre os partidos seria muito grande. Como organizar o comando de uma federação com partidos tão desproporcionais?”, afirma Orlando Silva. “O PT já é uma federação”, diz, referindo-se às diferentes correntes que compõem o Partido dos Trabalhadores.

Sob o mesmo teto 

A opinião de Orlando Silva deriva da constatação de que, embora a aliança com o PT possa ajudar a aumentar a bancada do PCdoB em 2022, também significará uma união estável de quatro anos. Com a federação, as listas de candidatos a deputados e também os escolhidos para cargos majoritários, como governadores em 2022 e prefeitos em 2024, deverão ser elaboradas em conjunto.

Questão de fundo

Enquanto o PSB tenta negociar com o PT candidaturas a governador em estados-chave, como São Paulo, Pernambuco, Espírito Santo e Rio, para o PC do B a expectativa é compor listas competitivas de candidatos a deputados federais. Isso permitirá que a sigla possa superar a cláusula de barreira em 2022 e também lhe garantirá financiamento via fundo partidário e fundo eleitoral, que são liberados de acordo com o número de deputados eleitos. 

Vai vendo

O senador Luis Carlos Heinze, do PP do Rio Grande do Sul, ficou conhecido na CPI da Pandemia por espalhar mentiras e teorias da conspiração, defendendo as mais indefensáveis posturas do governo Bolsonaro, mas… está com o ciclo vacinal contra a Covid-19 completo.

A vida como ela é 

Heinze foi discreto e não postou fotos como muitos de seus colegas fizeram para incentivar a população a se vacinar, mas ele mesmo tornou a informação pública após ter contraído a Covid-19 pela segunda vez. Sua assessoria de imprensa divulgou um texto no Twitter dizendo que ele e a mulher, Sandra, estão bem e apresentam apenas uma leve tosse. “Os dois estão vacinados”, diz a mensagem. 


Imagem3

Marcha da insensatez 

Mesmo com mais de 620 mil mortos pela Covid-19 no Brasil, Jair Bolsonaro continua fazendo campanha contra a campanha de vacinação e as recomendações sanitárias. O presidente diz não ter recebido nenhuma dose de vacina, mas até hoje não é possível saber se Bolsonaro de fato não se imunizou. O Planalto impôs sigilo de cem anos ao cartão de vacinação de Bolsonaro e aos exames de anticorpos do presidente. As duas decisões foram tomadas em resposta a pedidos da coluna por meio da Lei de Acesso à Informação.

No escurinho

A primeira-dama Michelle Bolsonaro tomou o imunizante discretamente nos Estados Unidos. Já o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, general Luiz Eduardo Ramos, admitiu que se vacinou escondido do presidente.

Image
Image

banner mk xl

logo news2