..::data e hora::.. 00:00:00

Jamaxi

Contraposição 

Em entrevista concedida no início da semana à uma rádio de Feijó, o governador Gladson Cameli (PP) desagradou a bancada federal ao externar que membro do grupo houvera encaminhado recursos na ordem de R$ 50 milhões para outro estado da Federação. 

Perscrutando 

Cameli fez a indagação na forma a seguir, Ipsis literis:”quero saber onde é que está pra mais de 50 milhões que não mandaram pro estado, pra nenhuma prefeitura. Num foi só pra cá não, pro estado do governo não e nem pras prefeituras. Quero saber pra onde parlamentares mandaram recursos federais que é do Acre. Pra onde foi esse dinheiro, qual é o compromisso de parlamentares. Pra onde mandou pra mais de 50 milhões, porque nós não tamos na Suiça, não. Não tamos com saúde de primeiro mundo; nós não tamos com infraestrutura de primeiro mundo. Tamos aí precisando recuperar. Eu que sou culpado de o Acre tá cheio de problemas?”.

Posicionamento 

Em resposta aos questionamentos a bancada lançou nota – com a chancelas de todos os seus membros - esclarecendo que: “todos os recursos destinados pela bancada do Acre são, absolutamente, transparentes e as informações podem ser acessadas por qualquer cidadão, a qualquer momento, no Portal da Transparência da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional. Tudo é transparente e claro para todos”. 

Rito

Ainda; “a regra é clara! As bancadas parlamentares no Congresso Nacional devem destinar recursos, única e exclusivamente, aos seus respectivos estados. Ou seja, a bancada do Acre só destina recurso para o Acre. A regra funciona assim para todos os estados. O atual governador do Acre foi parlamentar no Congresso Nacional e deveria ter plena noção desta simples regra”. 

Desconhecimento de causa 

Adiante: “A afirmação do governador do Acre, de que recursos da bancada estariam sendo destinados a outros estados, lamentavelmente, representa falta de conhecimento sobre o funcionamento do Orçamento Geral da União ou de divulgação de informação equivocada”. 

Individualizando “Em se tratando das emendas individuais, cada deputado(a), senador(a), é responsável por suas emendas. Desta forma, se faz necessário que o governador do Estado, de forma responsável, apresente para a sociedade acreana os nomes dos parlamentares que, supostamente, destinaram recursos para fora do estado”.

Composição

“A bancada federal do Acre, composta por oito deputados e três senadores, sempre foi reconhecida por trabalhar de forma unida e apartidária. Todo o esforço é concentrado na destinação e liberação de recursos”. 

Números

“É importante destacar que, desde o início da pandemia, a bancada acreana buscou todos os meios possíveis para contribuir com o enfrentamento aos danos causados pelo vírus. Em 2020, R$ 73.541.773,00 foram remanejados em benefício do governo do Acre, além de outros R$ 42.478.478,00, oriundos de recursos extraorçamentários. Todos estes valores foram viabilizados pelos parlamentares, que totalizam R$ 116.020.251,00, depositados, ao longo do referido ano, nas contas do governo do Estado do Acre”. 

Causa 

Por fim: “Esclarecemos que a bancada está, e sempre esteve, unida para viabilizar cada vez mais recursos ao Acre, com o estrito objetivo de amenizar os percalços enfrentados pela população. Ao contrário do que disse o governador, nenhum recurso é destinado para outra região, senão ao Acre”.

Cor do pecado

Um comunicado interno enviado a funcionários da Caixa Econômica orienta os funcionários a “jamais usar vermelho” nas marcações internas das agências, questão de “excelência”. Questionado, o banco informou que o motivo é que a cor azul é o padrão da Caixa, mas ressaltou que a orientação não partiu da matriz e sim de uma gerência regional.

Compensação

Num período de evasão escolar recorde, provocada pela pandemia, o Pará lançou na semana passada um incentivo para que os alunos continuem a frequentar a sala de aula. Concluintes do ensino médio receberão R$ 500, pagos em uma parcela única.

Tomou 

Para os estudantes das demais séries, o incentivo é de R$ 100 (também em parcela única). Terão direito ao benefício aqueles que frequentaram regularmente as escolas de modo presencial. 


Imagem3

Realidade cruel 

Pesquisa Datafolha divulgada no último final de semana apontou que 26% dos brasileiros afirmaram que a quantidade de alimentos em casa nos últimos meses não foi o suficiente para alimentar suas famílias. Ainda segundo o levantamento, este índice sobe para 37% entre os que ganham até dois salários mínimos mensais. 

Números 

Entre as famílias que recebem o Auxílio Brasil, que substituiu o Bolsa Família, o índice alcança 39% contra 22% das que não se enquadram nos critérios do benefício. O maior percentual de pessoas afetadas pela falta de alimentos está concentrado na Região Nordeste. Nas demais regiões do país, os índices variam entre 21% e 25%. 

Mapa da fome 

Ainda conforme o Datafolha, o problema alcança 45% dos desempregados que ainda estão à procura de uma vaga no mercado de trabalho e chega a 34% entre os que desistiram de procurar emprego. ”O levantamento também mostra que 15% dos brasileiros deixaram de fazer alguma refeição nos últimos meses por não ter comida em casa. O número sobe para 23% entre as famílias com renda mensal de até dois salários mínimos. Nas demais faixas, varia de 3% a 6%”, destaca a reportagem. 

Prego batido, ponta virada!

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou, em entrevista ao site Fórum que o nome do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin é o “único que está na mesa” para ser vice do ex-presidente Lula (PT) nas eleições de 2022. “Nome de Alckmin apareceu, há um debate, houve conversas. É um nome que está na mesa, não há outro nome”, disse o parlamentar. Na avaliação dele, Guilherme Boulos (PSOL) e Flávio Dino (PSB) seriam os “candidatos dos sonhos” mas, do ponto de vista eleitoral, para vice, “não acrescentam à chapa”.

Geografia

“O vice tem que ser do Sudeste, desse eixo Minas-São Paulo, não dá para ser de outro lugar, por mais que a gente queira. E nesse eixo, o nome que apareceu é o do Alckmin. (…) Minha opinião é que o nome do Alckmin pode ser uma saída. (…) Já tivemos que recorrer a setores mais à direita”, pontuou Teixeira.

Image
Image

banner mk xl

logo news2