..::data e hora::.. 00:00:00

Jamaxi

Ação de ofício 

O Ministério Público do Acre (MP-AC) instaurou procedimento preparatório para apurar o abandono por parte do poder público da Biblioteca da Floresta, local que outrora foi de grande serventia à comunidade, edificada no governo Jorge Viana (PT) e que ficou funcionando de forma regular até o governo Binho Marques (PT).   

Ação 

O promotor Alekine Lopes determina que a Casa Civil do Governo do Estado seja oficiada para responder sobre a situação e que informe quais providências estão sendo tomadas diante do descaso com o patrimônio público. 

SOS

Segundo o MP, a investigação foi ninstaurada após denúncias feitas nas redes sociais, relatando o abandono de um dos, outrora, mais belos pontos turísticos de Rio Branco. 

No embalo 

Aproveitando o ensejo, como é praxe se dizer nos documentos jurídicos, o Ministério Público bem que poderia estender o procedimento para averiguar os motivos que levam ao abandono de centros como a Tentamem; o Centro de Cultura Lídia Hammes; o Cine Teatro Recreio; o conjunto arquitetônico da Gameleira;  a cidade oceanográfica de Porto Acre; o Cacimbão da Capoeira e enes obras edificadas pelo então governador Jorge Viana (PT) que ora estão em completo abandono, descaso que remonta ao início do governo Tião Viana (PT) e perdura na atual gestão de Gladson Cameli (PP).

Sob investigação 

O portal de notícias Congresso em Foco (https://congressoemfoco.uol.com.br), veicula matéria na edição de hoje, 14, dando conta que ao menos 19 dos 81 senadores são réus ou alvos de algum tipo de investigação em andamento no país. No rol dos investigados os senadores acreanos Sérgio Petecão (PSD) e Márcio Bittar (MDB).

Objetos 

Márcio Bittar responde a inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), numa investigação penal. Já Sérgio Petecão - também em inquérito do STF -, é investigado numa ação que investiga crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral. 

Fonte 

Os dados sobre as investigações dos senadores são de levantamento exclusivo do Congresso em Foco com base em informações disponíveis nos sites do Supremo Tribunal Federal (STF), do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e dos tribunais regionais federais. Também foram acessados os tribunais regionais eleitorais (TREs) e os tribunais de Justiça de cada estado da federação. 

Potencial 

O número de investigados pode ser maior, já que alguns tribunais dificultam a busca processual pelo nome da parte e mantêm em segredo a simples existência de processos sigilosos. Além de 17 que estão no exercício do mandato, também têm pendências na Justiça os senadores Ciro Nogueira (PP-AL), atual ministro da Casa Civil, e José Serra (PSDB-SP), licenciado para tratamento de saúde.

Detalhes 

Vale lembrar que qualquer pessoa está sujeita a processo. Responder a inquéritos ou ação penal não significa que o parlamentar é culpado. Mesmo quando há condenação, os réus ainda podem recorrer. De acordo com a Constituição Federal, só se pode considerar alguém culpado após o trânsito em julgado, ou seja, quando não couber mais recursos. 

Filigranas 

Muitos recursos, no entanto, são apenas protelatórios ou buscam reduzir a pena para livrar o condenado da cadeia e substituir sua punição pela prestação de serviços. O Congresso em Foco foi o primeiro veículo de comunicação do país a levantar as acusações criminais contra congressistas, ainda em 2004. De lá para cá, o site publicou esse tipo de levantamento dezenas de vezes. 


Imagem2

Esperança 

A participação de pré-candidatos do centro nas manifestações do domingo, 12, encheu de ânimo parcelas do empresariado e do mercado que ainda acreditam na construção de uma alternativa à polarização Lula-Bolsonaro. Primeiro, porque eles avançaram casas: deixaram a fase da conversa de bastidores para, sob a luz do sol, subirem nos palanques, onde disseram o que pensam. Mas também porque, a despeito das provocações do PT e de Bolsonaro, os presidenciáveis ainda não trocaram farpas entre si, o que foi lido como sinal para futuras alianças.

Leitura 

Em conversa, porta-vozes desses grupos não minimizaram o fato de a manifestação de domingo ter contado com adesão menor do que a do 7 de Setembro e a da esquerda, em julho.

Copo meio cheio

Porém, eles entendem que agora os pré-candidatos têm de sair da toca. Alguns, para ganhar traquejo, como Simone Tebet (MDB), Henrique Mandetta (DEM) e Alessandro Vieira (Cidadania). Outros, como Ciro Gomes (PDT), João Doria e Eduardo Leite (ambos do PSDB), para modelarem o discurso. Ponderam que o ato possibilitou maior conhecimento dos presidenciáveis que podem formar a terceira via, vez que Bolsonaro e Lula têm recall e superexposição diária.

Será? 

Um interlocutor de grandes investidores internacionais diz que eles ainda acreditam no surgimento de uma terceira via. Citam o exemplo da eleição do governador Romeu Zema (Novo) em Minas, na reta finalíssima.

Fala que… 

Após a Paulista, Ciro Gomes participou da série de lives do grupo Parlatório SA. Empresários, economistas e juristas integram o grupo e encabeçam o projeto para ouvir diferentes projetos para 2022.

…eu te escuto

Estiveram na live o empresário Jorge Gerdau, o ex-ministro do STF Ayres Britto, o ex-ministro Luiz Furlan e o embaixador Rubens Barbosa.

Deixa… 

A organização do ato de domingo, 12, tenta botar panos quentes na indisposição entre MBL e Vem Pra Rua por causa do boneco que retratava Lula e Bolsonaro como siameses, inflado na Paulista.

…quieto

 Líderes do Vem Pra Rua entenderam que não seria um problema criticar Lula, já que o PT se negou a estar no ato. A porta-voz Adelaide Amaral chegou a mediar conversas com a esquerda no caminhão do Vem Pra Rua, mas não houve recuo quanto ao bonecão inflável.

Aff

Empenhado em atrair a esquerda, o líder do MBL Renan Santos chamou a atitude do Vem Pra Rua de “infantil” e “deprimente” e afirmou que a provocação poderia levar “uma construção para o buraco”.

Ponto…

Na prática, a esquerda, arisca, prefere avaliar o ato como se tivessem sido dois: um do MBL e um do Vem Pra Rua. Para Isa Penna (PSOL), sim, a provocação contra petistas pode ter um preço caro.

…de vista

“Vai dificultar. Se todos abraçarem suas próprias pautas não conseguiremos o objetivo principal da frente ampla que é tirar o Bolsonaro”, disse a deputada estadual, que elogiou o “exercício de democracia” demonstrado no caminhão do MBL.

Não viu lá? 

O pixuleco siamês deve ser explorado pelo PT como parte do malabarismo discursivo para justificar a não adesão aos próximos atos de frente ampla contra Bolsonaro.

Zap

Ciro Nogueira agora usa figurinhas dele mesmo para responder no WhatsApp. Em uma delas, o chefe da Casa Civil de Bolsonaro aparece tapando a boca. Essa costuma ser usada quando ele não quer comentar determinado assunto.

Image
Image

logo news2