..::data e hora::.. 00:00:00

Geral

Ação pede que União forneça medicamentos do kit intubação para hospital do Acre

MPF e MP-AC entraram na Justiça para obrigar União a fornecer os remédios usados na intubação para o Hospital Santa Juliana. Unidade está com baixo estoque dos insumos e pediu ajuda para não deixar faltar medicamentos

O Ministério Público Federal (MPF) e o Ministério Público do Acre (MP-AC) entraram com uma ação, em caráter de urgência, na 2ª Vara Federal em Rio Branco para obrigar a União a fornecer os medicamentos do ‘kit intubação’ para o Hospital Santa Juliana.

O G1 entrou em contato com a União e aguarda um posicionamento. A reportagem também solicitou ao Hospital Santa Juliana o número de pacientes internados com Covid-19 na unidade atualmente, mas foi informado que o dado só poderá ser fornecido no sábado (1º).

Esse kit é composto por, entre outros medicamentos, sedativos, usados em pacientes que precisam ser intubados. Esses remédios passaram a ser mais usados durante a pandemia e várias unidades de saúde do Brasil tiveram escassez ou baixo estoque dos medicamentos.

Após empresa doar kit intubação, Queiroga cobra estados e é criticado pelo presidente do Conass

Setor privado critica requisição de remédios para ‘kit intubação’; secretarias defendem medida

Um desses hospitais que alegou que podem ficar sem os remédios é o Santa Juliana, em Rio Branco. A unidade enviou um relatório para o MPF e à Promotoria de Saúde do MP-AC avisando sobre a dificuldade de obter o kit, como o aumento de 15 vezes no preço dos remédios com pandemia.

Ainda segundo a unidade de saúde, as equipes chegam a usar outros medicamentos nos pacientes, por via oral, e que não tem o mesmo resultado em pacientes que estão na UTI.

O hospital destacou também no relatório entregue que segue atendendo, além dos paciente Covid, pessoas com outros tipos de doenças, no coração, câncer e ortopédicas, que também precisam dos sedativos.

“Chama a atenção o fato de que, caso o HSJ [Hospital Santa Juliana] deixe de atender esses pacientes do SUS, o atendimento terá que ser feito na rede pública, pressionando ainda mais os já saturados números e colocando ainda mais em risco os pacientes de Covid-19 que irão concorrer com novos pacientes”, diz parte da ação.

Image
Image

logo news2