..::data e hora::.. 00:00:00

Entretenimento

Ex-panicat revela ter sofrido assédio sexual e moral no “Pânico”

“Tive que sumir para me recuperar da imundície dos bastidores”, diz Gabi Levinnt

Os últimos dois anos, Gabi Levinnt se descobriu como uma mulher de negócios após se afastar da televisão. O afastamento foi uma decisão da própria modelo depois de uma experiência traumática no programa ‘Pânico’. Em entrevista exclusiva para a coluna, Gabi revela ter sido vítima de assédios sexual e moral na atração por quatro anos, além de ter presenciado situações desagradáveis com suas colegas de trabalhos.

Gabi chama de ‘imundície’ os bastidores da atração e assume que não denunciou os crimes por medo de não ter mais o trabalho. “O ‘Pânico’ não me dava dinheiro, mas me proporcionava fazer outras coisas fora da televisão como campanhas, desfiles para marcas, ensaios de biquíni e presenças vips e isso foi o que me tirou da pobreza. Eu cresci em uma das favelas do Jardim Ângela, aqui em São Paulo, e consegui ganhar dinheiro com esses extras para sair de lá”, comenta ela, que precisou fazer terapia por conta da pressão e das críticas. “Eu não entendia direito por que era tão xingada, julgada e recebia ofensas pelo meu trabalho”.

Você trabalhou nos programas ‘Legendários’, ‘ Pânico’ e ‘Top Game’ e no início de 2020, você anunciou que precisava de um tempo para se cuidar, para se tratar. O que aconteceu? 

Eu resolvi largar tudo para tratar de uma depressão. Passei também por várias crises de ansiedade por conta de episódios que eu vivi nos bastidores da televisão. Sofri por uma exposição não tão legal e olha que não era aqueeeeela exposição porque eu nem era famosa, mas eu não queria mais ser vista daquele jeito. Fui fazer terapia, estudar e descobrir realmente quem eu era. Foi uma decisão bem pensada. Tive que sumir para me recuperar da imundície dos bastidores.

Quando você fala de ‘imundície’ dos bastidores... 

Eu falo de fofocas e principalmente de assédios sexual e moral que eu sofri durante os quatros anos que trabalhei no ‘Pânico’. Entrei lá em 2012 e saí em 2018 e vi como era um ambiente machista e tóxico. Muita baixaria. Eu trabalhava no programa ‘Legendários’ e fui indicada por uma amiga para fazer uma participação no ‘Pânico’, onde eu aparecia nua no lugar do entregador de pizzas. Topei porque a nudez nunca foi um problema para mim e até que foi tranquilo porque todos me respeitaram e tudo saiu melhor do que esperavam. Passei a ser chamada para outras gravações e uma vez no intervalo de uma delas, um dos diretores me chamou para um reservado. Eu juro que achei que ele iria passar alguma coisa, uma dica ou me cobrar algo. Não levei na maldade mesmo, mas aí ele me agarrou e colocou o p** para fora. Praticamente me obrigou a fazer um bo***** e disse : ‘se você quer aparecer mais, tem que colaborar’. Saí correndo, me mantive quieta o resto do dia e deixei para pensar o que iria fazer no dia seguinte. Decidi ver qual era a situação.

E qual era a situação? 

Percebi que aquilo era uma coisa rotineira e que todas as meninas eram assediadas. Das panicats mais famosas até as que só eram participantes de alguns quadro como eu era, todas eram assediadas sexualmente. Também fui vendo que as meninas que topavam ‘colaborar’ iam subindo, iam aparecendo mais nos programas, ganhavam destaques.

Você fala também de assédio moral... 

Sim. Nós éramos chamadas de p**** e vagabundas pelos diretores e pelos atores. Diariamente. Os únicos que nos respeitavam eram o Carioca, Ceará e o Emílio. O resto nos xingava direito. Eu não ligava muitos para os xingamentos e não me afetavam porque eu sabia que aqueles adjetivos não eram pra mim. O que me deixava irritada e possuída de ódio era ter que sair ou dar para alguém para ganhar um destaque no programa. Também não gostava quando passavam a mão na minha bunda. Era direto, eu ficava indignada.

Você chegou a presenciar outros casos de assédios? 

Sm. Algumas meninas também comentavam abertamente sobre o que andavam fazendo nos bastidores. Uma vez, durante uma gravação do quadro ‘A Igreja do Poderoso’, eu fiquei apertada para ir ao banheiro e como eu não estava no set, saí para o alojamento. Quando cheguei a porta estava trancada e eu fiquei esperando um tempinho a pessoa sair. Não demorou muito e duas panicats saíram do toilet acompanhadas de um diretor famoso do programa.

Por que você não denunciou tudo isso na época? 

Eu fiquei calada porque precisava daquele trabalho. O ‘Pânico’ não me deva dinheiro, mas me proporcionava fazer outros trabalhos fora da televisão como campanhas, desfiles para marcas, ensaios de biquíni e presenças vips e isso foi o que me tirou da pobreza. Eu sou de uma favela do Jardim Ângela, aqui de São Paulo, e consegui ganhar dinheiro com esses extras para sair de lá e poder ter uma vida melhor. Mas, quando eu saí do programa, eu briguei, xinguei e fiz um dossiê contando tudo que foi parar na direção. Soube que depois da minha última gravação, o ‘ Largadas e Peladas’, algumas pessoas foram demitidas e dois meses depois o programa saiu do ar.

Por que você resolveu revelar isso agora? 

Porque me sinto mais forte agora em poder falar sobre esse episódio desagradável que vivi e também considero que a minha revelação seja uma forma de alertar as pessoas. Outro dia mesmo li que um produtor vem tentando atrair meninas para a televisão prometendo mundos e fundos em nome de um grande diretor da Globo. É um golpe velho, mas muitas mulheres ainda caem. Caem nas mãos de produtores e diretores fakes, como os verdadeiros também, que são esses grandões que aparecem na televisão. Elas passam por situações terríveis. Todo mundo quer ainda ficar muito famoso, mas não sabem o submundo da caminhada da fama.

O que você anda fazendo? 

Eu estou com 32 anos e trabalho com Instagram. Sou também microempresária com vendas de produtos para sobrancelha e estou montando um espaço beauty completo na zona sul de São Paulo.

Tem algum arrependimento? 

Não tenho. Eu não entendia direito por que era tão xingada, julgada e recebia ofensas pelo meu trabalho. Cheguei a ser agredida fisicamente sem saber o motivo. Hoje, depois de muita terapia, eu consigo me blindar e não me abalar com as críticas. Sabia que na época de panicat ter um relacionamento amoroso era quase impossível? Nenhum homem queria namorar uma mulher que aparecia de biquíni na televisão e era chamada de ‘p***’ nas ruas e nas redes sociais. Fico pensando nessas participantes do ‘De Férias com EX’, que aparecem nuas e transando sem o menor constrangimento e só as panicats eram p****. Difícil, né? Só agora eu percebi que isso lá no fundo me abalava e eu não tinha ideia desse sofrimento. Sumi do mapa justamente para me fortalecer e ter a certeza de que tudo é um aprendizado.

Image
Image

logo news2